• Milka Freitas

BICOS ERETOS E ALINHADOS. POR FAVOR!

Hoje, fui com o companheiro de vida e paciência resolver umas coisinhas aqui no centro de Maceió (diga-se de passagem, sou louca por centros e feiras de rua. Melhor lugar não há!). Daí, me lembrei de uma postagem da Thais Carla, umas das dançarinas "gordas" (também sou gorda pra quem não sabe tá?!) da Anitta e incrivelmente talentosa e provocadora da inveja alheia, onde falava sobre outra postagem da Mônica Iozzi em relação a liberdade das mamas #freenipples (mamilos livres), de nós mulheres andarmos sem sutiã. Bom, tudo depende do ponto de vista e das sensações provocadas em você. Eu, depende da roupas, do clima e do momento. Não durmo com sutiã, pode vir a gravidade do mundo todo, deusa me defenderai desse troço me apertando no meu soninho. Eu tenho as mamas grandes, então tem roupas que realmente incomodam estar sem esse "segura peso", porque suo muito. No mais, a liberdade de estar sem, é maravilhosa. Só não dá pra pular e correr.... se bem que, à depender do pulo, da corrida e do sutiã, não da nada. Pois bem! Isso me fez pensar em várias situações vividas, ouvidas e lidas.




Desde "mocinha", existe a espera do nosso primeiro sutiã, tem todo um ritual. Só lamento as meninas ou pessoas que eram/são "identificadas" como meninas, quando na verdade, vão descobrindo que são transmeninos, serem obrigadxs a usar os tals. Continuando... cria todo um ou vários aparatos: qual tipo de sutiã, cor, idade, tamanho, com qual roupa, cuidado pra não mostrar, cuidado pra não bater, combinações, comparações, observações DESNECESSÁRIAS, medos, frustrações, cobranças, tipos de formas das mamas, aureolas, bicos, se é pontudo, guardado, se é mais aberto, fechado, firme, de carne, de pele, de bico, se é "arriado" ou ficará... uffa!!! E por aí vai...



Daí crescemos e virão outras cobranças (acima, são especulações ou até profecias neah? kk), principalmente, estéticas do que seria considerado ideal, se não, perfect!! Pior, é que todo essa perfeição não é para nós, é para as outras pessoas, geralmente, se for para eles. "Cuidado pra não cair esses peitos "mulé", homem não gosta'. ""Mulé", eu se fosse tu, me organizava pra dar uma subida nesses "peitos", a mulher fica parecendo que tá é velha" (como se nós, seres viventes, tivéssemos o poder de inverter as fases da vida, ao invés de envelhecermos, vamos rejuvenescendo até virar feto. Ah! E chamar mulher de velha, ainda é uma ofensa. Oiiii?!?!)




Bom, quem nunca precisou ajeitar as mamas para alinhar seus bicos, que atire o primeiro sutiã! Até hoje faço. Problemas? Nenhum. Hoje, nenhum. Mas, já sofri com essa falta de "perfeição mamária". Sim pessoas, já errei muito com meu corpo e, ainda tenho algumas fraquejadas. Afinal, são 36 anos de histórias, desses, apenas 7 de melhoramento dessa tal de autoestima, que para algumas tantas, parece viver mais baixa que o desenvolvimento econômico e político do Brasil (sem comentários maiores sobre isso. No momento, não tenho estrutura emocional para tal desfeito). Daí você alinha pra ficar "arrumadinho", vai que arrepia neah ? Txa deusa! Pior, é que aprendemos tão poco a respeitar nosso corpo, e muito a cobrar o desnecessário dele, que quando vemos mulheres com "bicos desviados" ainda comentamos: "não é de deuxs"! Ninguém venha com essa de que nunca prestou atenção ou fez pelo ou menos um comentário interno. Hipocrisia .... sai fora.


E as trans e travestis, que sempre, em sua maioria, estão numa busca incessante e mais "perfeito" corpo feminino? As meninas injetam silicone industrial que pode ser letal pra elas. Fora que, as que se prostituem, não podem ter "peitinhos" , tem que caprichar para terem clientes e pagar a cafetão ou "cafetina". Quando conseguem juntar uma grana massa fazendo programa fora do Brasil, elas fazem várias transformações no corpo, mas, certamente, as mamas são a primeira coisa que fazem. O problema, é que, assim como nós, envelhecem e a gravidade anuncia sua chegada. Porém, as trans/tra que não conseguem continuar no programa, acabam por ter algumas sequelas irreversíveis. Hoje, conheço uma geração que não está mais nessa cobrança injusta e sacrificante do corpo. Elas tomam os hormônios femininos e deixam o tempo agir. O ideal SEMPRE, é serem acompanhadas por endócrinxs, mas, na maioria das vezes, não dá. (sugestão de pauta boa essa)


Já li e ouvi relatos de mulheres que na hora do sexo, onde o gostoso é sentirmos os corpos e o sabor desses corpos, as mulheres tiravam apenas a calcinha (tem algumas que nem isso fazem com vergonha da sua vulva... pauta pra próxima), elas evitam tirar o sutiã pra "o peito não cair", "pra ficar organizado dentro do sutiã", pra "não mostrar porque acha feio", afinal, para que a pessoa ver os seus " defeitos mamários estéticos neah? Credoooooooo..... gente, não é papo de feminista, até porque ainda estou em desenvolvimento e evolução do ser para compreender e ser feminista. Mas, é o papo real de quem passou, passa e observa todas essas situações.



Pior momento para mim com sutiã, é quando estou inchada para menstruar. Putz! Mamas grandes e inchadas, o "segura peso", não dá conta e machuca muito, mesmo com alças largas. Tem momentos que não dá mesmo, e procuro evitar esse dxabu. Aí, se sobra pelas bordas do sutiã, você tem que ver qual blusa ou sei lá que peça da pra usar e disfarçar todo esse "derramamento". Gente! Isso eu estou só me referindo a mamas grandes, porque das pequenas, não tenho prioridade alguma. Inclusive, fiquem a vontade para contar suas vivências mamárias. Quando eu estava grávida, eram as mamas na frente com a barriga e eu atrás, servindo de suporte pra todo aquele peso frontal. Depois, veio a amamentação, eu AMAVAAAAA amamentar, mas, o pesoooo... até hoje tenho sequelas disso.


Quem tem mamas grandes quer tirar, quem tem pequenas quer aumentar, quem tem médias quer arrumar alguma coisa pra fazer. Real, sempre queremos algo que não temos pra tudo, literalmente, nessa vida e nas outras. Eu, sinceramente, passei a olhar minhas mamas de uma outra maneira, e não aprendi a aceitar (não gosto dessa expressão, parece que a pessoas passa por cima de tudo pra conseguir esse feito, parece que é obrigadx), aprendi a olhar elas como parte do meu corpo que conta histórias, que me completam e que essas mamas me dão muito prazer. A única herança que tenho de minha família, principalmente, avós, são minhas lindas e desalinhadas mamas. Com suas quedas pela vida, com seus alinhamentos manuais de bicos, com seus pesos, com seus incômodos mensais. Mas, estão aqui. Pode passar quem for por sua vida, elas continuarão aí no seu corpo. Se alguém não gostar de suas mamas como são, não gostam de você. Se quiser peitos somente, mande comprar 1kg no açougue. Mesmo que possamos ter um câncer e precisarmos tirar essas mamas, elas terão histórias mesmo assim. Nós não ficamos incompletas sem mamas, nos tornamos mulheres diferentes de um padrão e podemos descobrir forças e valores, até muito mais do que quando se tinha essas tão faladas e cobradas mamas.



Poderia passar à noite falando sobre isso (são 23h). Mas, tenho que fazer outras coisas, como estudar nesse momento o material que meu querido professor Régis passou. Estou no meu último módulo do curso de Teatro.. Sim... serei atriz em 2019, também.


Hoje estou feliz com minhas mamas, elas me ensinam muito. E você? Como está com as suas?


Dica: procurem por tipos de mamas no google, irão ver a variedade de mamas e absurdos chamados "padrões". Tem até desenhos com as legendas: normais, pontudos, planos... Ou seja, quem definiu a mama perfeita? Credowwww.... #diversidadedemamas


Se quiser sugerir mais "desabafos" como este... é só mandar, aqui ou insta @camisinha_influencer e face @milkafreitasoficial






54 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo